.

.

quinta-feira, 30 de junho de 2016

O segredo da coragem




Um homem tinha pavor de andar de avião. Todas as vezes que precisava viajar, passava muito mal. Certo dia, enquanto aguardava tenso e angustiado a chamada para o embarque, observou entre os passageiros um menino que andava bem calmo pelo saguão do aeroporto. Entrando no avião, o homem se alegrou ao constatar que sua poltrona ficava ao lado da que era ocupada pelo menino, pois este lhe transmitia tranquilidade.

O avião levantou voo e o menino logo pegou um livro de desenhos. Começou a colori-lo sem demonstrar qualquer tipo de preocupação. Durante a viagem, o avião enfrentou uma tempestade muito forte. As turbulências e as sacudidelas bruscas assustaram alguns passageiros e o homem já estava entrando em pânico, quando percebeu que o menino ao seu lado continuava sereno, encarando tudo com a maior tranquilidade.

Nesse momento, o homem intrigado perguntou-lhe:
- Você, ainda um menino, viajando sozinho de avião, enfrentando uma tempestade....como pode manter-se tão calmo? Você não tem medo?
E ele, olhando para  homem, respondeu:
- Não tenho medo não, porque é meu pai quem está pilotando este avião.


A tranquilidade demonstrada pelo garoto, resultado da confiança depositada em seu pai, que era o piloto do avião, ensina-nos também a aquietarmos o nosso coração e confiarmos Naquele que é o piloto de nossas vidas: Deus Pai!

http://nospassosdejesusamor.blogspot.com.br/

quarta-feira, 29 de junho de 2016

PAI NOSSO DA FAMÍLIA



Pai nosso, que estais no céu
Pai nosso, que estais em nosso meio
Pai nosso, que une a nossa família
Pai nosso, que sois o exemplo da Trindade
Pai nosso, que nos abençoais sempre

Santificado seja o Vosso nome,
Santificado seja o vosso nome em nossos lábios
Santificados sejam as nossas ações
Santificados sejam as famílias do mundo inteiro
Santificado seja a nossa unidade

Venha a nós o Vosso reino,
Reino de paz e perdão
Reino de amor e gratidão
Reino de fé e fidelidade
Reino de esperança e compreensão

Seja feita a Vossa vontade, assim na terra como no céu.
Seja feita a Vossa vontade em nossas palavras
Seja feita a Vossa vontade em nossa missão
Seja feita a Vossa vontade em nossos corações
Seja feita a Vossa vontade na existência de nossa família

O pão nosso de cada dia nos dai hoje.
O pão da palavra que é o Vosso Evangelho
O pão da Eucaristia que é o Vosso Corpo
O pão material que é o Vosso amor
O pão da unidade que é o Vosso desejo

Perdoai as nossas ofensas, assim como nós perdoarmos a quem nos tem ofendido.
Perdoai a nossa falta de amor
Perdoai as nossas incompreensões
Perdoai as nossas inimizades
Perdoai a nossa falta de fé

E não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal,
Do mal da separação
Do mal da desunião
Do mal de não sermos capazes de amar o suficiente os nossos filhos
Do mal da morte e do pecado.

Amém.

terça-feira, 28 de junho de 2016

Oceanos são feitos de gotas d’água

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012



Para ser ouvido, fale.

Para ser compreendido,

exponha claramente as suas idéias

sem jamais abrir mão

daquelas que julga fundamentais

apenas para que os outros o aceitem.

Acima de tudo,

busque o prazer antes do sucesso,

a auto-realização antes do dinheiro,

fazer bem feito  antes de pensar

em obter qualquer recompensa.

Nenhum reconhecimento externo

vai substituir a alegria

de poder ser você mesmo:

“status” é comprar coisas que você não quer

com o dinheiro que você não tem

a fim de mostrar para gente

que você não gosta

uma pessoa que você não é.

Nada tem graça  se não for

bom para o seu corpo,

leve para o seu espírito e agradável

para o seu coração.

Para conseguir, tente sem pensar

que o êxito virá logo da primeira vez.

Cuide de ter saúde, energia,

paciência  e determinação

para continuar tentando

quantas vezes forem necessárias.

Mas ao perceber que

já fez  tudo o que pôde

ou até mesmo um pouco além

mude de alvo para não se tornar,

em vez de um vitorioso,

apenas mais um teimoso.

Para poder recomeçar sempre,

perdoe-se pelos fracassos

e erros que cometer,

aprenda com eles e, a partir deles,

programe suas próximas ações.

Nunca se deixe iludir

que será possível  fazer tudo

num dia só ou quando tiver

todos os recursos:

tal dia nunca virá.

Para manter-se motivado, sonhe.

Para realizar, planeje,

pensando grande e fazendo pequeno,

um pouco a cada dia

e todos os dias um pouco,

porque são pequenas gotas d’água que

fazem todo grande oceano.

Pe. Zezinho, scj

Preto de copas (cartas) Jardim da Fé Preto de copas (cartas)

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Receita da Vida


Anote os ingredientes:
Família (é aqui que tudo começa) 
Amigos (nunca deixe faltar) 
Raiva (se existir, que seja pouca) 
Paciência (a maior possível) 
Lágrimas (enxugue todas) 
Sorrisos (os mais variados) 
Paz (em grande quantidade) 
Perdão (à vontade) 
Desafetos (se possível, nenhum) 
Esperança (não perca jamais) 
Coração (quanto maior, melhor) 
Amor (pode abusar) 
Carinho (essencial). 

Agora, o modo de preparar: 
Esqueça os momentos de raiva e desespero passados. 
Se precisar use toda sua paciência. 
Enxugue as lágrimas e as substitua por sorrisos.
Junte a paz e o perdão e ofereça a seus desafetos.
Deixe a esperança crescer no seu coração. 
Nem sempre os ingredientes da vida são gostosos, portanto, saiba misturar todos os temperos que ela oferece e faça dela um prato de raro sabor. 
Chame a família, os vizinhos e amigos e bom apetite! 

Preto de copas (cartas) Jardim da Fé Preto de copas (cartas)

sábado, 25 de junho de 2016

Reflexões do Papa Francisco sobre Família


1. O que mais pesa é a falta de amor
 Aquilo que pesa mais do que tudo isso é a falta de amor. Pesa não receber um sorriso, não ser benquisto. Pesam certos silêncios, às vezes mesmo em família, entre marido e esposa, entre pais e filhos, entre irmãos. Sem amor, a fadiga torna-se mais pesada, intolerável. Penso nos idosos sozinhos, nas famílias em dificuldade porque sem ajuda para sustentarem quem em casa precisa de especiais atenções e cuidados. 'Vinde a Mim todos os que estais cansados e oprimidos', diz Jesus.”

2. Os perigos da família

“Os esposos cristãos não são ingênuos, conhecem os problemas e os perigos da vida. Mas não têm medo de assumir a própria responsabilidade, diante de Deus e da sociedade. Sem fugir nem isolar-se, sem renunciar à missão de formar uma família e trazer ao mundo filhos.”

3. A graça do sacramento do Matrimônio 

"Os sacramentos não servem para decorar a vida – mas que lindo matrimônio, que linda cerimônia, que linda festa!... Mas aquilo não é o sacramento, aquela não é a graça do sacramento. Aquela é uma decoração! E a graça não é para decorar a vida, é para nos fazer fortes na vida, para nos fazer corajosos, para podermos seguir em frente! Sem nos isolarmos, sempre juntos."

4. A necessidade familiar dos cristãos

"Os cristãos casam-se sacramentalmente, porque estão cientes de precisarem do sacramento! Precisam dele para viver unidos entre si e cumprir a missão de pais. 'Na alegria e na tristeza, na saúde e na doença'. Assim dizem os esposos no sacramento."

5. A família é para a vida toda

“Uma longa viagem, que não é feita de pedaços, dura a vida inteira! E precisam da ajuda de Jesus, para caminharem juntos com confiança, acolherem-se um ao outro cada dia e perdoarem-se cada dia. E isto é importante! Nas famílias, saber-se perdoar, porque todos nós temos defeitos, todos! Por vezes fazemos coisas que não são boas e fazemos mal aos outros. Tenhamos a coragem de pedir desculpa, quando erramos em família.”

6. Com licença, obrigado, desculpa

"Para levar adiante uma família, é necessário usar três palavras. Três palavras: com licença, obrigado, desculpa. Três palavras-chave!"

7. A família que ora

"Todas as famílias, todos nós precisamos de Deus: todos, todos! Há necessidade da sua ajuda, da sua força, da sua bênção, da sua misericórdia, do seu perdão. E é preciso simplicidade: para rezar em família, é necessária simplicidade! Rezar juntos o 'Pai Nosso', ao redor da mesa, não é algo extraordinário: é fácil. E rezar juntos o Terço, em família, é muito belo; dá tanta força! E também rezar um pelo outro: o marido pela esposa; a esposa pelo marido; os dois pelos filhos; os filhos pelos pais, pelos avós... Rezar um pelo outro. Isto é rezar em família, e isto fortalece a família: a oração."

8. A família conserva a fé

"As famílias cristãs são famílias missionárias. Ontem escutamos, aqui na praça, o testemunho de famílias missionárias. Elas são missionárias também na vida quotidiana, fazendo as coisas de todos os dias, colocando em tudo o sal e o fermento da fé! Guardai a fé em família e colocai o sal e o fermento da fé nas coisas de todos os dias."

9. A alegria da família

“A alegria verdadeira vem da harmonia profunda entre as pessoas, que todos sentem no coração, e que nos faz sentir a beleza de estarmos juntos, de nos apoiarmos uns aos outros no caminho da vida.”

10. Deus e a harmonia em meio às diferenças

"Ter paciência entre nós. Amor paciente. Só Deus sabe criar a harmonia a partir das diferenças. Se falta o amor de Deus, a família também perde a harmonia, prevalecem os individualismos, se apaga a alegria. Pelo contrário, a família que vive a alegria da fé, comunica-a espontaneamente, é sal da terra e luz do mundo, é fermento para toda a sociedade."

Preto de copas (cartas) Jardim da Fé Preto de copas (cartas)

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Santos Juninos: Festa Junina



Você sabe porque as festa juninas se chamam festa juninas?
Porque são as três festa da Igreja comemorada no mês de Junho.

De Santo Antonio no dia 13 de junho
De São João no dia 24 de  junho e
de São Pedro e São Paulo no dia 29 de junho

As comemorações juninas tiveram inicio a muito seculos na Europa, antigamente no
dia 24 de junho era comemorado pelos pagãos a festa de solstício de verão,  o dia mais
longo do ano que marcava o inicio da época do plantio. Na idade média a festa passou ser
chamada joanina por causa do dia de São João comemorado no mesmo dia 24, mais
 tarde passaram a comemorar as festas dos três santos que ficaram conhecidas
popularmente de festas juninas, festas do mês de junho.


As fogueiras também faziam parte das comemorações do solstício de verão, e aos
poucos o simbolo passou a ser  incorporado na festa de São João. 


Os fogos de artifícios foram trazidos para o Brasil pelos portugueses que segunda a tradição
 popular serviam para despertar São João Batista. Na tradição os balões também serviam
para avisar o povo que a festa estava começando.

A dança das quadrilhas também foi trazidas pelo portugueses no seculo XIX , mas a
dança tem sua origem na quadrilha, uma dança francesa popular no meios aristocrático no
século XVII, como a moda de Paris era imitada em toda Europa no seculo XIX a elite
portuguesa trouxe a dança para o Brasil, que logo se fundiu com as danças locais ficando
 mais conhecidas nas zonas rurais, aos poucos a quadrinha foi se tornando  uma dança
tipica das festa juninas.

O casal de noivos também faz parte da tradição europeia, ligada as aspirações
matrimoniais nas festa de Santo Antonio e São João. Essas união das festa dos três
Santos, mas quadrilha e fogueira é a festa junina que comemoramos todos os anos.


*******************************************************

Santo Junino: São João Batista

Dia 24 de Junho dia de alegria e muita oração é dia de São João Batista

João Batista, o Precursor de Cristo!!


Para mostrar como devia ser admirável e com 
uma missão importante,  João nasceu duma mãe estéril
 e já de idade avançada. O seu nascimento, mostrou 
que devia ser homem admirado  e fora do comum. Foi chamado
de "Novo Elias". Tanto seu  nascimento, como sua tarefa são anunciados por
anjos. Isto é mais uma prova de excepcionalidade na vida de João. 
Dava testemunho de Cristo, e preparava as pessoas para a chegada de 
Jesus "Eu vos batizo com água, mas eis que vem outro mais forte de que eu,
a quem não sou digno de lhe desatar a correia do calçado" (Lc 3, 15-16)

João não era a Luz, mas o testemunho da Luz"

João veio para anunciar o que havia de vir: uma grande luz: Cristo, a luz dos povos.
Não era a luz, mas testemunho da verdadeira luz. 
E quando veio a luz, muitos preferiram as trevas (Jo 1,7ss)


Fonte: TV ARAUTOS

Abençoado dia!!
Abraço Fraterno!
Sueli
Catequese Infantil - Pãozinho do Céu Maria

terça-feira, 14 de junho de 2016

AS BEM-AVENTURANÇAS DE UMA CASA

AS BEM-AVENTURANÇAS DE UMA CASA


1) Bem-aventurada a casa onde se reza, porque Deus habitará dentro dela.2) Bem-aventurada a casa onde se guardam as festas, porque seus moradores tomarão parte nas festas do céu.3) Bem-aventurada a casa de onde se não sai para frequentar diversões mundanas, porque nela reinará a alegria cristã.4) Bem-aventurada a casa cujos filhos são logo batizados, porque nela se criarão bem-aventurados para o céu.5) Bem-aventurada a casa na qual se pratica a caridade para com os pobres, porque o trabalho de seus moradores será abençoado por Deus.6) Bem-aventurada a casa onde os que morrem recebem os santos sacramentos, porque sua morte será tranquila e cheia de esperanças.7) Bem-aventurada a casa onde se ama a doutrina cristã, porque nela jamais faltarão as consolações da religião.8 ) Bem-aventurada a casa na qual pais e filhos mutuamente se edificam pelos exemplos de virtude, porque a felicidade e o contentamento aí morarão também.


(As três chamas do lar, Pe. Geraldo Pires de Sousa, p.374-375)


http://jardimdafe.blogspot.com.br/

domingo, 12 de junho de 2016

PALAVRAS DE SANTO ANTÔNIO DE PÁDUA

PALAVRAS DE SANTO ANTÔNIO DE PÁDUA

“Fala em línguas quem está repleto do Espírito Santo. As diversas línguas são o testemunho que devemos dar em favor de Cristo, a saber, humildade, pobreza, paciência e obediência. Quando os outros virem em nós estas virtudes, estaremos nós falando a eles. Nossa linguagem é penetrante quando é nosso agir que fala. Eu vos conjuro, pois, deixai vossa boca emudecer-se e vossas ações falar! Nossa vida está tão cheia de belas palavras e tão vazia de boas obras”.


(Santo Antônio de Pádua. Sermões sobre São Mateus 23,1-12)

http://jardimdafe.blogspot.com.br/

CONSELHO AOS PAIS

CONSELHO AOS PAIS

25/05/09

Já na sua infância, desde cedo, não dê à ele tudo o que quiser, assim quando ele crescer, não ficará a espera que o mundo lhe dê o que deseja; Não ache graça de seu palavreado chulo e grosseiro; Inicie-o nos caminhos de uma educação religiosa, sem fanatismo, que não pregue a divisão e sim, a união do povo de Deus; Não apanhe tudo que ele deixar jogado: livros, brinquedos, sapatos, roupas e ... Habitue-o a guardar todos os seus pertences; Não faça tudo para ele. Ensine-o a fazer de tudo, a fim de que não seja um eterno dependente dos outros; Evite, a todo custo, discutir com freqüência na presença dele; Não o defenda, intransigentemente, contra seus professores. Apure os fatos com calma. Lembre-se que os professores são seus parceiros e não seus inimigos; Não tente dominá-lo querendo que ele seja a sua cópia, mas tente sempre persuadi-lo através de um diálogo sincero e amigo. Respeite sua personalidade; Finalmente, prepare-se para no futuro ter somente orgulho e alegria de ter realmente, criado um filho com dignidade; Lembre-se: se fizeres o contrário disto, corre o risco de uma vida futura cheia de angústias, decepções e lágrimas de dor. (Texto adaptado pelo Professor Francisco Jaegge)

LIMITES NA EDUCAÇÃO - Fábio Henrique Prado de Toledo

LIMITES NA EDUCAÇÃO - Fábio Henrique Prado de Toledo

Limites na educação

Fábio Henrique Prado de Toledo

Algum tempo atrás manifestei nesta coluna certa perplexidade com o Projeto de Lei n. 2.654/2003, com o que se pretendia proibir qualquer forma de punição corporal a crianças e adolescentes. Como disse naquela oportunidade, o assunto merece ser melhor refletido.

Penso que as “palmadas” nas crianças não são mesmo um recurso educativo a ser utilizado a todo momento. Mais ainda, conheço vários pais que conseguiram educar muito bem sem jamais ter sequer levantado a mão contra os filhos. Aliás, se analisarmos bem, muitas das vezes que se bate numa criança, faz-se porque o pai ou a mãe estão nervosos com outro assunto que os afligem e a travessura foi apenas o estopim. Outras vezes, quase sempre, bate-se porque não se tem paciência para explicar o porquê de não poder ela fazer algo, dando os motivos pelos quais sua conduta não é adequada e, sobretudo, expondo as boas razões para se proceder corretamente.

O problema de leis radicais como essa são as más interpretações que podem causar. Estou certo de que, tão-logo aprovada, não tardará em surgir nas escolas e nas famílias uma falsa concepção do tipo: não se pode fazer nada com o garoto que não obedece, pois do contrário pode ser “processado”. Ou, pior ainda, as próprias crianças poderão incorporar o falso conceito e se levantarem contra os educadores, pais e professores, numa arredia desobediência a qualquer tipo de ordem com o petulante argumento: “não pode fazer nada comigo, sou menor”.

Não há educação sem limites. Já relatei a história de um garoto que, durante uma viagem com os colegas de escola para um acampamento, se queixava com o professor de que seus pais não lhe davam liberdade, que dependia da autorização deles para quase tudo. Esse bom professor deu ao aluno uma brilhante lição, que merece ser contada novamente:

“Seus pais não permitem que você faça tudo o que quer porque o amam. Veja esse pequeno riacho, em sua nascente, uma margem é bem próxima da outra. É o que ocorre com uma criança pequena, de tudo dependem dos pais. O riacho, conforme vai avançando, as suas margens vão ficando cada vez mais distantes, até que deságüe no mar, onde não há mais margens. Assim deveriam os pais fazer com os filhos. A autoridade dos pais é a margem dos rios que permite que cheguem ao destino.

Quanto maior o rio, mais distantes as margens, quanto maior e mais responsável o filho, maior pode ser a sua autonomia. E veja, que bom que é a margem, imagine o que seria do rio sem ela? Veja aquela parte do rio em que a margem é menos resistente, parte da água caiu para fora e apodrece à beira do rio, não chegará ao mar. Assim acontece com os filhos que possuem pais fracos, que não desempenham a obrigação de exercer a autoridade: deixam seus filhos perdidos nas ribanceiras do mundo, não chegam ao mar".

Soube também do drama de uma adolescente que talvez ilustre o desastre que é a educação sem limites. Trata-se de uma jovem de quatorze anos que estava deprimida e resolveu fazer um tratamento psicológico. Depois de algumas sessões, ela acabou por deixar de escapar algo, aparentemente sem importância, mas que revelava a causa de sua “depressão”.

Disse ela: “quando as minhas amigas me convidam para algum passeio que eu não quero, gosto muito de dizer que meus pais não deixaram. É a desculpa que mais me agrada”. “Você sabe por que isso lhe agrada?”, perguntou o psicólogo. “Na verdade não sei”, prosseguiu ela, “os pais de minhas amigas sempre as proíbem de fazer algo que elas verdadeiramente gostariam, mas eles também conversam com elas, fazem programas juntos, penso que elas ganham um beijo dos pais antes de irem dormir...”. Ela não contém as lágrimas que escorrem, e depois conclui: “meus pais me deixam fazer tudo o que eu quero porque não gostam de mim. Fazem isso para que eu não os incomode, então eu costumo dizer a minhas amigas que me proíbem de fazer alguma coisa para que não percebam que meus pais não me amam”.

Comprometedor esse relato, não? É hora, pois, de levá-lo mais a sério.

Fábio Henrique Prado de Toledo é Juiz de Direito em Campinas. Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Articulista do Correio Popular de Campinas e de alguns outros jornais. Casado, pai de 8 filhos e Membro do Conselho de Administração do Colégio Nautas.

e-mail: fabiotoledo@apamagis.com.br

Publicado no Portal da Família em 22/06/2010